Monday, November 10, 2008

Crise: e se o futuro é hoje e cruel?



A Galiza, além de ser a região mais próxima do Minho, permite-nos por força da sua vizinhança estar atentos ao que vem aí, com a crise económica e financeira que grassa pelo mundo desenvolvido.

Até agora, da Galiza têm vindo bons casamentos para milhares e milhares de trabalhadores do Minho que ali encontraram, nos últimos anos, o sustento para as suas famílias.

Mas agora, da Galiza sopram ventos que devem servir de alerta poderoso ao que nos pode vir a acontecer se não nos prepararmos para a tempestade económica que se faz sentir para lá do rio Minho.

As vendas das empresas galegas cairam mais de oito por cento nos primeiros oito meses deste ano e as vendas de tecidos, por exemplo, baixaram quase 40 por cento. Esta crise faz com que as empresas galegas – importante mercado das empresas portuguesas — tenham comprado menos sete por cento.

As quedas de produção das empresas da Galiza situam-se entre os sete e meio e os doze e meio por cento, com destaque para as empresas têxteis cuja produção baixou mais de 36 por cento.

Dada a proximidade com a Galiza, outros números nos devem inquietar de forma a prepararmos serenamente respostas para o futuro que é já hoje. Um dos índices é o crescimento das importações de tecidos chineses a uma média de três por cento.

Este crescimento — da ordem dos 200 milhões de euros contra 80 milhões em 2004 — acontece mesmo com as medidas tomadas pela União Europeia, há três anos, para evitar o desaparecimento da indústria têxtil europeia.

A indústria têxtil galega está a perder uma média de trinta milhões de euros por ano: mais 221 por cento em vestidos e quase 200 por cento em malhas.

Quanto a Portugal, reina a opacidade. Não sabemos sequer a quantas andamos. Os números estão no segredo dos deuses mas — se olharmos para os postos de trabalho já perdidos este ano — os números não devem ser diferentes.

Valham-nos os números negros da Galiza para que, aqui, no Minho, nos preparemos para o pior que está para vir. É verdade que são muitos números mas são cruéis.

Quem nos avisa, nosso amigo é. A Galiza está a sofrer mas o seu sofrimento é um aviso que devemos escutar seria e eficazmente.

Um homem prevenido vale por dois e, se de Espanha não vêm bons ventos, vem pelo menos o alerta da Galiza que nos pode ajudar a combater males maiores.

1 comment:

Pedro e Pedro (filho) said...

Olá meu amigo Costa Guimarães.
Em primeiro lugar quero agradecer o facto de me ter cedido o texto da carta das suas "impressões".
já estive a ver/ler o seu blog e estou a adorar.
Parabens!
As suas "impressões/ideias/textos/etc." são fantasticos.
Alem de já ser um bom e assiduo ouvinte, fiquei "cliente" do seu blog.
Obrigado!
Abraço.Pedro Gomes